Está aqui

7 marcas de relógios que ficaram perdidas no tempo

Artigo
Relógio de bolso
Créditos Imagem

Há quem se recuse ou não consiga usar, há quem se esqueça que os tem, há quem não os dispense e há quem os use como peça de moda. Falamos de relógios. Apesar de existir um sem-número de marcas de relógios, umas mais famosas ou mais caras, há outras que não vingaram. Seja por que razão for, apenas algumas marcas antigas ficaram e não é dessas que vamos falar, mas sim das que ficaram para trás. Conheça 7 marcas de relógios que ficaram perdidas mas não esquecidas no tempo.

1. Cortéberd

Esta marca, criada em 1790, na Suíça, por um relojoeiro comum, veio a tornar-se numa marca de renome internacional. Foi considerada uma marca premium devido a particularidades novas no mercado e foi altamente conhecida por produzir relógios para estacões de comboio e pela funcionalidade de demonstrar as horas sem ponteiros através do jump-hour. O seu fim deveu-se à crise na indústria do quartzo nos anos 70.

2. Elgin National Watch Company

No ativo entre 1864 e 1968, esta marca americana construiu até um observatório para se certificar de que teria as horas corretas e produziu relógios de alto valor. A Segunda Guerra Mundial mudou o curso da história da marca, que se mudou para material de guerra. Mudaram de fábrica muitas vezes e em 1968 acabou por ver o seu fim e o fim dos direitos sobre o nome que tantos relógios de bolso construíram. Hoje em dia, o nome existe mas já nada tem a ver com a marca original.

3. Ingersoll Watch Company

Fundada em 1892, a Ingersoll Watch Company foi criada por dois irmãos que começaram por vender carimbos de borracha, vieram depois os relógios, de nome Universal, que foram produzidos por outra empresa. Foram vendidos a revendedores e chegaram diretamente ao público através de catálogos. O fim da empresa chegou com a recessão pós-Primeira Guerra Mundial, tendo aberto falência.

4. Jean Lassale

Responsável pelo relógio mais fino até então, esta marca suíça nasceu em 1976 pelas mãos de Jean Bouchet-Lassale. Recebeu vários prémios, entre medalhas de ouro e mérito. Era uma marca cara e chegou a estar emparelhada com a Omega SA mas, quando em setembro de 1979 surgiram problemas financeiros, a venda da empresa de relógios tornou-se iminente. A Omega chegou-se à frente, mas foi a Seiko que traçou o fim da Jean Lassale.

5. Lancashire Watch Company

Fundada em 1889, esta empresa relojoeira de Prescot, Inglaterra, pretendia fazer face às grandes empresas do ramo suíças e americanas. Prescot era casa de várias partes de relógios que eram integradas em modelos estrangeiros, sendo esta empresa um esforço para fazer relógios inteiros numa só fábrica. Infelizmente, a empresa acabou por falir em 1910. O relógio pessoal do dono da empresa foi vendido em leilão por 215 000 dólares.

6. Langendorf Watch Company

A Langendorf Watch Company, companhia que durou exatamente um século, foi uma relojoeira suíça que chegou a ser a maior do mundo. Nos anos 50 surgiu a Lanco, marca da empresa, que também não sobreviveu por muito tempo. Após várias tentativas de manter a companhia na família, esta acabou por ser comprada por uma empresa maior, ficando a Langendorf Watch Company para a história.

7. Molnija

Esta empresa relojoeira russa nasceu em Chelyabinsk e produzia relógios de diversos géneros. Cerca de 80% de cada relógio era feito à mão e esta marca produziu produtos militares também. Apesar de ter terminado a sua produção em 2007 ainda é possível encontrar relógios desta marca no mercado.
Nem todos os objetos que marcam o tempo avançam com ele. Com os anos, relógios que outrora foram intemporais transformaram-se em memórias. Consegue imaginar uma marca de relógios atual a desaparecer no tempo?

 

Imagens: 1,2,3,4,5,6,7
A sua votação: 
Média: 5 (1 vote)