Está aqui

Aqui estão os melhores relógios de 2010! Vencedores do Grand Prix d’Horlogerie de Genève

Notícia

Numa gala com pompa e circunstância realizada no Grand Théâtre de Genève, foram galardoados, no total, noverelógios em diferentes categorias: senhora, joalharia, design, complicação, homem, desporto, “pequeno ponteiro”, prémio do público e “ponteiro dourado”. Alguns dos vencedores serão já bem conhecidos dos leitores do Relogiolândia.

Começando logo pelo melhor relógio desportivo, trata-se nem mais nem menos do que o Seiko Spring Drive Spacewalk que lhe demos a conhecer ainda há dias. Esta edição especial é uma adaptação extremamente fiel do relógio criado especificamente para a utilização no espaço por astronautas, resistindo às extremas condições do espaço exterior com distinção ao mesmo tempo que mantém toda a qualidade do seu funcionamento de precisão. Assente no movimento electromecânico Spring Drive, inteiramente desenvolvimento pela Seiko, é um relógio que alia a qualidade do seu funcionamento ao visual simples e apelativo. Lembre-o aqui!

O relógio que venceu a categoria design também já passou pelo Relogiolândia, e é um justo vencedor: trata-se do MB&F HM4 Thunderbolt, o fantástico relógio saído da imaginação de Maximilian Büsser que baseia o seu incrível aspecto nas turbinas de um avião. Demos-lhe a conhecer o Thunderbolt aqui, e não é uma surpresa que seja eleito o melhor desta categoria.

Tínhamos-lhe chamado um dos relógios mais loucos de 2010, e agora pode também classificar-se como o melhor relógio de senhora deste ano. O relógio Le Pont des Amoreux, da Van Cleef & Arpels, venceu esta categoria, fazendo justiça a um relógio que respira originalidade por todos os seus pormenores, exibindo horas e minutos ao mesmo tempo que conta uma história de romance e paixão, de encontros e desencontros. Poderá lembrá-lo aqui.

A edição deste ano celebrou também uma década de existência do Grande Prémio de Relojoaria de Genebra através da introdução de uma nova categoria, intitulada “La Petite Aiguille” (pequeno ponteiro), destinada exclusivamente a relógios com um valor de venda a público inferior a 5 mil francos suíços (aproximadamente €3,800 | R$8,500). O vencedor foi nem mais nem menos que o TAG Heuer Carrera Calibre 1887 Chronograph, um relógio de alta qualidade a um preço bem mais acessível do que é comum neste tipo de eventos. Conheça melhor este relógio aqui!

No extremo oposto em termos de preço, e com um posicionamento também bastante diferente, a categoria joalharia elegeu o relógio High Jewellery Owl, da Chopard, premiando assim a originalidade aliada à funcionalidade num contexto de luxo baseado em pedras preciosas. Com um valor de €175,330 (cerca de R$400,000) e limitado a 15 exemplares, será uma verdadeira raridade. Conheça melhor este extravagante relógio aqui.

Com vem sendo habitual, não só o júri tem uma palavra. Os entusiastas por relógios também tiveram a oportunidade de se exprimir, elegendo o relógio favorito do público. Este ano, a distinção foi para o relógio Historique Ultra-fine 1955 da Vacheron Constantin, um relógio que, com apenas 4,1 milímetros de espessura, tem tanto de beleza como de simplicidade – algo que o representante da marca fez questão de realçar, contrastando com a excentricidade do visual de alguns modelos, ou da complexidade das suas complicações. Pode saber mais sobre o Historique Ultra-fine 1955 aqui.

Esta é aliás uma tendência com a qual o próprio júri pareceu concordar, se consideramos o vencedor da categoria masculina. O prémio de melhor relógio de homem foi para o Galet Classic Tourbillon de dupla mola, elaborado pela oficina Laurent Ferrier, uma peça que contrasta a elevadíssima qualidade técnica dos seus componentes com a simplicidade do seu aspecto exterior. Inspirado nos grandes cronómetros do final do séc. XIX, e dotado de um turbilhão alimentado por uma dupla mola de balanço, o relógio vencedor espelha na perfeição os mais tradicionais valores da alta relojoaria. Veja-o ao pormenor aqui.

Já o vencedor da categoria complicação foi algo esperado. O atelier F. P. Journe, que vencera já a edição de 2008 (e por isso, de acordo com os regulamentos do evento, ficou automaticamente excluído da competição na edição de 2009), mantém-se na vanguarda ao conquistar um dos mais cobiçados galardões com o excelente Chronometre a Resonance, um incrível exemplar que, através do recurso ao fenómeno de ressonância, e também à forma como organiza os vários mostradores, oferece uma exactidão avançada e precisa. Veja aqui a galeria deste fantástico relógio.

Por fim, a gala terminou com o momento mais aguardado, revelando o vencedor da categoria “L’Aiguille d’Or” (ponteiro dourado), aquele que o júri considerou ser o melhor relógio de 2010. O grande vencedor da noite foi o Double Tourbillon 30º Edition Historique, criado pela Greubel Forsey, o incrível relógio que, através de um duplo turbilhão com uma inclinação de 30 graus, ultrapassou os limites da imaginação e da técnica da relojoaria, elevando a fasquia para toda a concorrência. Conheça-o ao pormenor aqui!

Aproveite também para lembrar os vencedores da edição de 2009 aqui!