Está aqui

Harry Winston Opus 11 – caos controlado

Notícia

Ano após ano, a coleção Opus da Harry Winston tem trazido relógios espantosos, que levam um pouco mais além a noção de perícia, qualidade e, talvez mais que qualquer outro conceito, a própria criatividade. O novo Opus 11, acabado de chegar, não é exceção, e procura desconstruir o tempo, lançando o caos… de forma controlada.

Este novo relógio conquista logo à primeira vista, com um aspeto tecnologicamente avançado, algo confuso de início, mas brilhantemente simples logo depois. Com três mostradores cilíndricos que se sobrepõem, o principal, ao centro e de grande dimensão, apresenta as horas, bem ao centro; à direita, em cima, um mostrador mais pequeno exibe os minutos, através de dois discos. O mais pequeno, com as dezenas, do tipo “saltante”; o maior, exterior, lista as unidades de forma fluída. Em baixo, um terceiro mostrador em semicírculo apresenta o coração do Opus 11, o balanço, feito em titânio.

É no mostrador principal, onde são apresentadas as horas, que se centram as atenções. Através de um ingenioso mecanismo, o número que apresenta as horas é “partido” em quatro pedaços que se encontram, compondo assim o algarismo propriamente dito. A cada hora, o mecanismo gira e o algarismo é desfeito, espalhando o caos pelo relógio… apenas para, breves momentos depois, se voltar a ajustar, girando o mecanismo e compondo um novo número – a hora seguinte.

Este mecanismo é composto por um total de 24 placards que giram sucessivamente através de um sistema rotativo (e extremamente complicado), assente em quatro braços principais. No total, o Opus 11 é feito com por 566 componentes, 155 dos quais joias. Este novo relógio com o selo Harry Winston é limitado a 111 exemplares.

Tal como é costume na coleção Opus, cujos 10 relógios anteriores poderá conhecer ou recordar aqui, esta nova criação é fruto da parceria entre a Harry Winston e um génio criativo. O mestre relojoeiro que está na origem do Opus 11 é Denis Giguet, que já passou por empresas como a Rolex e a própria Harry Winston, até, em 2007, criar a sua própria oficina.