Está aqui

Vacheron Constantin revela nova criação de elite do Atelier Cabinotiers: o relógio “Vladimir”

Notícia

Há alguns meses atrás apresentámos-lhe o relógio Philosophia, o relógio saído do atelier de elite Cabinotiers, da Vacheron Constantin. Hoje trazemos-lhe mais uma criação desse restrito departamento de elite da marca suíça, o avassalador Vladimir.

Lembre aqui o relógio Philosophia e a história do atelier Cabinotiers.

Se da última vez, a notícia sobre a criação exclusiva quase roçavam a “fuga de informação”, desta feita é a própria Vacheron Constantin a trazer a público estas duas criações. O Philosophia, que já conhecemos, e o Vladimir, que agora é apresentado ao pormenor, e cujo nome foi dado pelo próprio autor da encomenda – que permanece no anonimato.

Se os desejos do cliente são ordens, não se fez por menos: este magnífico relógio está dotado de 17 complicações, com um total de 12 ponteiros e 17 mostradores, na frente o no verso, reunindo 891 componentes para trazer ao mundo um dos mais complexos relógios de pulso de sempre.

À frente, o Vacheron Constantin Vladimir exibe o inevitável turbilhão numa abertura às seis horas; às 3 horas, um outro mostrador exibe o calendário lunar, que se encontra complementado com uma escala que permite identificar, além da fase, o próprio dia do ciclo lunar. No ponto oposto, às 9 horas, encontra-se o indicador de carga e um indicador do número da semana do ano. À 1 hora, um pequeno mostrador indica a carga do mecanismo de repetição de minutos, acionado através das alavancas posicionadas no aro. Um último mostrador, às 11 horas, permite apresentar um segundo fuso horário num mostrador próprio de 24 horas e com indicação de dia/noite. Ao centro, até mesmo os ponteiros de horas e minutos são exclusivos, tratando-se de peças únicas feitas propositadamente para este relógio.

O verso não é menos impressionante. Logo ao centro, a interessante e rara complicação equação do tempo; em baixo, um mapa celeste do hemisfério norte, acompanhado nos lados com a hora de nascer e do por do sol. No topo do verso, encontram-se os três mostradores do calendário perpétuo, indicando dia da semana, mês e data. Um minúsculo mostrador permite ainda identificar se o ano atual se trata de um ano bissexto. O aro do verso encontra-se gravado com o nome do relógio, da marca e ainda, em letra manuscrita, o nome do atelier responsável pela produção do relógio.

Todos os pormenores deste relógio foram definidos pelo seu dono, desde as funções e complicações, às características do movimento (mecânico, claro está, de corda manual, com carga máxima de 58 horas), passando pela decoração, que tem o seu expoente máximo no lado da caixa, em ouro rosa, onde se encontram gravados os doze signos do zodíaco chinês, num alto relevo que exigiu a máxima perícia por parte dos artesãos, e que demorou 6 meses a concluir.

No total, este relógio reuniu uma equipa de 20 mestres relojoeiros, num esforço enorme que certamente valeu a pena. O resultado é um relógio que merece entrar para os anais da história da relojoaria.

Veja mais imagens do relógio Vladimir aqui!