Está aqui

Relógio “Memento Mori Carpe Diem” por Daniel Strom: a negra arte da relojoaria

Notícia
Memento Mori Carpe Diem por Daniel Strom

Não será certamente o aspecto mais apelativo para muitas pessoas. As caveiras que adornam o relógio Memento Mori Carpe Diem serão, para muitos, chocantes; mas existe mais do que apenas o visual macabro que salta à primeira vista.

A caixa desta criação de Daniel Strom é uma autêntica escultura, baseada essencialmente em caveiras – a própria coroa é uma caveira saliente. O mostrador, em negro ou branco marfim (ou será mesmo branco osso?) encontra-se decorado com motivos góticos, sem grandes complexidades nem complicações: nele verá horas, minutos e segundos.

No título deste relógio, uma expressão dupla que exprime por palavras o que a caixa deixou bem claro:  Memento Mori, o princípio filosófico que nos lembra a derradeira e incontornável certeza, o fim que toda a vida inevitavelmente conhecerá, que significa “lembre-se que morrerá”; e por isso mesmo, Carpe Diem, a máxima que apela a que não deixemos que a vida nos passe ao lado, que aproveitemos ao máximo cada dia que passa, cada dia que vivemos, significando “aproveite o dia”.

Se o design extraordinariamente agressivo da caixa capta de imediato todas as atenções, por outro o significado filosófico e artístico que esta peça representa são bem mais profundos do que apenas o choque visual. Tal como a temática em si, e o interesse que ela suscita, este não será um relógio consensual, nem terá sido idealizado para agradar a todos. Mas que relógio o é?

Com a relojoaria a ser já uma tradição de família, Daniel Strom integra o relógio Memento Mori Carpe Diem na colecção sugestivamente intitulada Agonium. Sem funções especiais, e baseado num simples movimento automático criado pela ETA, este relógio é assumidamente uma afirmação mais no âmbito do design do que da relojoaria.

Entregue numa caixa especial feita à mão e personalizada, está disponível em quatro materiais diferentes, podendo-se optar pela caixa em platina, ouro, paládio ou prata, estando ainda disponível a opção paládio com diamantes (nos olhos das caveiras). As edições são extremamente limitadas, funcionando essencialmente por encomenda directa

Já os preços, não são inocentes: a versão em prata tem um valor de €6,666, chegando aos €46,666 da versão em platina. Será algo como R$14,500 e R$103,000, respectivamente, mas pode-se afirmar que o sentido se perde na “tradução”…

Marca: